PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Ilhas Raja Ampat. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ilhas Raja Ampat. Mostrar todas as postagens

domingo, 10 de fevereiro de 2013

lhas Raja Ampat 06 - Indonésia





lhas Raja Ampat 05 - Indonésia





lhas Raja Ampat 04 - Indonésia





lhas Raja Ampat 03 - Indonésia





lhas Raja Ampat 02 - Indonésia





lhas Raja Ampat 01 - Indonésia





As Ilhas Raja Ampat formam um arquipélago situado a noroeste da península da Cabeça de Pássaro, no noroeste da ilha da Nova Guiné. Pertence administrativamente à província de Papua Ocidental, antiga Irian Jaya, da Indonésia. O arquipélago é formado por quatro ilhas principais: Misool, Salawati, Batanta e Waigeo, e mais de 1.500 pequenos ilhéus e bancos de areia. A sua área total (terrestre e marinha) é de aproximadamente 40.000 km², e nele fica o maior parque nacional marinho da Indonésia, na Baía de Cenderawasih.

Na lagoa de águas turquesas, as palafitas dominam os recifes de coral. A rede está pronta para a siesta e o coquetel no pôr do sol: o arquipélago indonésio de Raja Ampat é considerado um verdadeiro paraíso. Mas, por quanto tempo ainda?
Ao longo da Papua, Raja Ampat é para a Indonésia o que a baía de Halong representa para o Vietnã, mas ainda mais vasta: 610 ilhotas distribuídas em 4,5 milhões de hectares, 753 km de praias de areia fina e, "provavelmente, a mais importante biodiversidade marinha do mundo", segundo um estudo de referência estabelecido, em 2002, pela organização 'Conservation International' (CI).
O arquipélago, designado para a lista de patrimônio mundial da Unesco, é "o último paraíso na Terra", diz a folheto do escritório de turismo. E isso deverá tornar-se realidade, logo.
Éden quase virgem, o local abriga, no entanto, sete "resorts", com uma dezena de mansões em cada, tendo recebido, ano passado, apenas 4.515 turistas, ou um visitante para 1.000 hectares.
Ainda longamente desconhecido, esta pérola da Ásia é um segredo ainda bem guardado, mesmo na França, onde serve de cenário a um programa de 'reality show', o "Koh Lanta" no canal privado TF1.
Para chegar a este paraíso azul, os europeus devem viajar cerca de 30 horas.
"É o melhor lugar do mundo para mergulhos submarinos", afirma Pam Roth, uma aposentada londrina adepta dessa atividade há 33 anos.
Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/indonesia-o-arquipelago-de-raja-ampat-um-paraiso-em-perigo

Preservação necessária, e com urgência:


Mas o desenvolvimento é disfarçado pelos coqueirais. Ao final de um caminho livre, cortando a selva, numa magnífica baía antes completamente isolada, uma pista de aterrissagem em construção esbarra nas águas cristalinas.
O zumbido das máquinas abafa os cantos dos pássaros exóticos. Corta-se, arranca-se, para fazer nascer um aeroporto que deverá ser inaugurado no ano que vem.
"Queremos numerosos turistas", comenta Yusdi Lamatenggo, ministro regional do Turismo.
Se quiserem criar uma nova Bali, os turistas vão logo embora", responde o administrador de "PapuaDiving", Jimmy Praet, em referência àquela ilha indonésia considerada, com frequência, uma vítima do turismo de massa. O frágil ecossistema sofre, afirma este belga.
"É a qualidade dos turistas, mais que a quantidade que procuramos", comenta Hari Untoro Dradjat, assessor do ministério nacional do Turismo. Como prova de boa vontade, as autoridades citam uma regulamentação, aprovada em julho, que limita o número de "resorts" e de "liveaboards" (navios pequenos de cruzeiro). Sete parques marinhos já foram criados, cobrindo 45% dos recifes e manguezais.
O governo recusa-se, no entanto, a condenar a exploração mineral, mesmo se uma jazida de níquel, no norte do arquipélago, venha sendo apontada por seu impacto ecológico. "É com as minas que se faz dinheiro, mais do que com o turismo", acrescenta Dradjat.
"Acho que vão destruir este local", diz Helmut Hochstetter, um alemão de 60 anos, ajeitando-se para um mergulho. "Então, é melhor aproveitar agora tudo o que pudermos".
Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/indonesia-o-arquipelago-de-raja-ampat-um-paraiso-em-perigo