PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Suazilândia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Suazilândia. Mostrar todas as postagens

sábado, 13 de setembro de 2008

Suazilândia 03 - África



Suazilândia 02 - África




Suazilândia 01 - África





A Suazilândia, oficialmente o Reino da Suazilândia é um pequeno país da África Austral, limitado a leste por Moçambique e em todas as outras direcções pela África do Sul. Suas capitais são Mbabane (administrativa) e Lobamba (legislativa). Esse pequeno e montanhoso país do sul da África, sem saída para o mar, é uma das poucas monarquias remanescentes no continente. Em seu território predominam os planaltos cobertos por savanas e pastagens. A sociedade, patriarcal e formada por clãs, admite a poligamia. A economia se baseia na agropecuária, mas o país não é autossuficiente na produção de alimentos. A Suazilândia exporta cana-de-açúcar e abriga importantes reservas de carvão mineral. A saúde pública enfrenta uma catástrofe: um terço da população adulta é portadora do vírus da AIDS, a mais alta taxa de contaminação do mundo. Segundo dados de 2007, a população da Suazilândia ultrapassa os 1,1 milhão de habitantes, conferindo a este país uma densidade de 70 habitantes por quilômetro quadrado. Apenas 25% vive nas cidades, atualmente. Os suázis compreendem cerca de 90% da população. Os 10% restantes da população são quase todos zulus. O país tem também uma minoria de sul-africanos, asiáticos, europeus e moçambicanos. O suazi e o inglês são os idiomas oficiais. Cerca de três quartos da população é cristã, enquanto vinte por cento são animistas. Além da capital, Mbabane, outras cidades importantes são Lobamba e Manzini. O evento cultural mais conhecido da Suazilândia, é o anual Reed Dance. O país foi submetido ao rito da castidade o "umchwasho" até 19 de agosto de 2005. A Suazilândia é um país profundamente polígamo. Mswati III, o atual rei, coroado com a idade de 18 anos, casou-se nove vezes, além de duas outras noivas. Seu pai, Sobhuza II, que reinou de 1921-1982, tinha 120 esposas. Mswati III declarou que a poligamia "não era propício para a propagação do HIV entre a população" em um país onde o número de pessoas HIV positivas é de aproximadamente 40%. Existem muitas clínicas, hospitais e estabelecimentos de atendimento à saúde. Mas muitos swazis preferem confiar na medicina tradicional africana. Então o rei, ele decidiu criar um estabelecimento "Mananga", onde um membro envia para as mulheres o conhecimento e poderes ocultos que curassem doenças. Suazilândia tem um número de escritores cujas línguas variam de inglês para swati, através do Zulu. Os mais conhecidos são os escritores Sarah Mkhonza, que se aposentou à força na Suazilândia em 2003, Matsebula Stanley que é também um importante economista da Suazilândia, e James Shadrack Mkhulunylwa Matsebula, poeta e historiador de renome. Até 2009, o ranking mundial sobre a liberdade de imprensa fixadas anualmente pelo Repórteres Sem Fronteiras da Suazilândia é a 144ª de 175 países. Uma situação difícil "tem sido observada".