PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Congonhas do Campo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Congonhas do Campo. Mostrar todas as postagens

sábado, 20 de setembro de 2008

Congonhas do Campo - 05 - MG - Brasil

As esculturas de Congonhas do Campo são obras do mestre do barroco "Aleijadinho"




Congonhas do Campo - 04 - MG - Brasil




Congonhas do Campo - 03 - MG - Brasil




Congonhas do Campo - 02 - MG - Brasil




Congonhas do Campo MG 01 - Brasil






A cidade de Congonhas do Campo é formada por três distritos: O distrito de Congonhas (distrito-sede), Alto Maranhão e Lobo Leite. A região é atravessada pelo Rio Maranhão (em cujas margens se fundou o arraial primitivo), que recebe as águas dos córregos Santo Antônio, Goiabeiras e Soledade. É do encontro do rio Maranhão com o córrego Santo Antônio que tem-se início o Rio Paraopeba. O solo é rico em minério de ferro de alto teor, sendo que no passado também já foi expressiva a mineração em busca de ouro, metal encontrado até nos dias atuais, apesar de não ser em escala industrial.
 
Situada a setenta quilômetros de Belo Horizonte, Congonhas do Campo possui um expressivo conjunto de riqueza barroca do maior artista do gênero no Brasil: Antônio Francisco Lisboa, mais conhecido pelo apelido de Aleijadinho. No adro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, Aleijadinho esculpiu em pedra-sabão as famosas imagens de doze profetas em tamanho real que são visitadas anualmente por milhares de turistas do Brasil e de todo o mundo.
 
Além disto, as seis capelas que compõem o Jardim dos Passos em frente à basílica representam a Via Sacra com belíssimas imagens esculpidas em cedro também por este grande artista barroco. Em 1985, todo este conjunto foi tombado pela UNESCO e transformado em patrimônio cultural da humanidade.
 
Os principais atrativos de Congonhas do Campo são: Basílica Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, Romaria, Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Igreja do Rosário, museu da Imagem e Memória e o Parque da Cachoeira.
 
Antes de ser a "Cidade dos Profetas",  foi e ainda é um grande centro de peregrinação. Todo ano, o município reúne milhares de fiéis em busca de cura das suas aflições. São, aproximadamente, cinco milhões de peregrinos que visitam Congonhas do Campo entre sete e catorze de setembro, período em que é comemorado no município o jubileu do Senhor Bom Jesus do Matozinhos.
 
O município possui como maior fonte de renda a extração mineral e a indústria metalúrgica com destaque para a mina de Casa de Pedra (Companhia Siderúrgica Nacional - CSN), a Mina da Fábrica (antiga Ferteco Mineração S/A, hoje incorporada à Vale e a Mina Viga (que atualmente pertence à Ferrous).
 
Teve origem em 1757 quando foi fundado o Santuário, por Feliciano Mendes, de Guimarães, nascido em Portugal, de início modesta cruz e oratório; ele era tão pobre que até morrer, em 1765, pedia esmolas. Contribuíram com grandes quantias Francisco de Lima; Manuel Rodrigues Coelho, Bernardo Pires da Silva, de modo que se começou a nave central da igreja; em 1787 foi colocada diante do altar-mor a imagem do Cristo morto; custódia e vasos sacros de prata foram encomendados ao ourives Felizardo Mendes. Em 1819 requisitaram-se os serviços do pintor Manuel da Costa Ataíde para restaurar pintura da capela-mor. De 1769 a 1772 trabalhou ali o mestre João de Carvalhais.
 
Em 1812 o barão Wilhelm Ludwig Von Eschwege instalou no arraial, com a intenção pioneira no país de produzir ferro, sua Fábrica Patriotica, com Friedrich Ludwig Wilhelm Varnhagen e o intendente Câmara, sendo tal local situado às margens da rodovia BR 040, nas proximidades da Mina da Fábrica.